Contagem de Likes no Instagram e As Métricas de Vaidade: A Ascensão da Qualidade x Popularidade

Descubra nesse artigo como o fim da contagem de likes no Instagram pode impactar a forma que fazemos publicidade online atualmente

Como o fim da contagem de curtidas no Instagram pode impactar as práticas da publicidade online.

 Recapitulando…

Durante sua última conferência anual, F8, no dia 30 de abril deste ano, o Facebook apresentou de forma oficial as principais atualizações dos canais que administra: Facebook, Instagram, Messenger e WhatsApp.

Dentre todas as novidades apresentadas, que vão desde a crença num futuro de compartilhamentos privados, até a integração do Messenger com o Whatsapp e Instagram em uma versão desktop, foi anunciada uma das atualizações mais polêmicas: a remoção da contagem visível das curtidas em fotos e vídeos no feed do Instagram.

Troco Likes!

Após o anúncio oficial na conferência, o Facebook colocou testes em prática que começaram pelo Canadá.

De acordo com a empresa, o fim dos likes serve para promover a conexão através do interesse real nos conteúdos compartilhados e não focar apenas em números (a famosa métrica de vaidade).  Mas calma, a contagem de curtidas não será extinta, pois o dono da conta ainda terá acesso aos dados, do mesmo jeito que só ele consegue ver os views dos stories.

Animation Love GIF by Fran Solo

O propósito da fase beta dessa ferramenta é eliminar a competitividade tóxica e os vínculos vaidosos que esses números causam, visto que, como tais tecnologias estão cada vez mais presentes no dia a dia, as grandes empresas se veem obrigadas a investir mais na experiência real do usuário, já que um dos principais pontos negativos é a pressão gerada no usuário por likes, curtidas e comentários como forma de comprovação e aceitação em um determinado círculo da sociedade.

Segue? Sigo de volta!

O fim dos likes tem como meta também, diminuir ou até mesmo zerar os esforços do Instagram para combater aplicativos que criam “jogos de curtidas”.

Para chamar a atenção de parceiros para acordos comerciais e publicidade, influenciadores e figuras públicas usam esses apps para elevar o número de seguidores, e consequentemente, o número de curtidas. Com a intenção de evitar um possível burnout pela presença excessiva dessas plataformas nas redes, grandes players da tecnologia não medem esforços para combater essa prática, visando a melhora da experiência e na personalização das notificações recebidas pelos usuários.

A palavra é: Experiência!

Como um dos maiores potenciais de comunicação, o Instagram, segunda rede social mais usada pelos brasileiros, sempre buscou experiência e relevância!

No início dos testes, os usuários receberam a seguinte notificação:

“Queremos que seus seguidores se concentrem no que você compartilha, não em quantas curtidas suas publicações recebem […]”

Isso não passa de um reforço extra sobre os propósitos da rede social, cuja intenção sempre foi o compartilhamento de experiências, onde os feeds com conteúdos criativos, inspiradores e motivacionais sempre vão se sobressair. Do outro lado, temos uma parcela social que encara a medida como absurda, não gostando de ter sua contagem de likes oculta do mundo.

O caminho agora é gerar conteúdo de valor e que cause real impacto nas pessoas. Vale lembrar que qualquer campanha paga ou bot podem gerar curtidas, o que torna a contagem de likes no Instagram uma moeda social sem valor nenhum. Está na hora de focar em métricas de relevância, de preparar um media kit com taxas de engajamento reais e públicos qualificados para entrega dos conteúdos.

Com uma boa estratégia, deixamos de lado a quantidade e começamos a entregar qualidade.